Deus, o alfabeto, e a criação do mundo…

setembro 30, 2009

Segundo a lenda judaica, Deus teria ouvido as petições de todas as letras do alfabeto, antes de criar o mundo.

As letras do alfabeto desceram da coroa de Deus, onde estavam gravadas, e foram uma a uma diante dEle, pra ver qual seria escolhida como aquela por meio da qual o mundo seria criado. Com exceção de uma única letra, que não pediu nada a Deus.

Essa única letra que não pediu nada a Deus, foi colocada como a primeira letra do texto dos dez mandamentos; recompensa pela sua humildade.

Aí chegam os crentes, e interpretam tudo literalmente, assassinando a poesia judaica… = P

Quem quiser apreciar a riqueza das lendas judaicas, o link segue abaixo:

Bacia das almas – O Alfabeto


Design Inteligente – a fraude científica

setembro 29, 2009

por Charles Krauthammer

Let’s be clear. Intelligent design may be interesting as theology, but as science it is a fraud. It is a self-enclosed, tautological “theory” whose only holding is that when there are gaps in some area of scientific knowledge — in this case, evolution — they are to be filled by God. It is a “theory” that admits that evolution and natural selection explain such things as the development of drug resistance in bacteria and other such evolutionary changes within species but also says that every once in a while God steps into this world of constant and accumulating change and says, “I think I’ll make me a lemur today.” A “theory” that violates the most basic requirement of anything pretending to be science — that it be empirically disprovable. How does one empirically disprove the proposition that God was behind the lemur, or evolution — or behind the motion of the tides or the “strong force” that holds the atom together?

In order to justify the farce that intelligent design is science, Kansas had to corrupt the very definition of science, dropping the phrase ” natural explanations for what we observe in the world around us,” thus unmistakably implying — by fiat of definition, no less — that the supernatural is an integral part of science. This is an insult both to religion and science.

He may be, of course. But that discussion is the province of religion, not science. The relentless attempt to confuse the two by teaching warmed-over creationism as science can only bring ridicule to religion, gratuitously discrediting a great human endeavor and our deepest source of wisdom precisely about those questions — arguably, the most important questions in life — that lie beyond the material.

How ridiculous to make evolution the enemy of God. What could be more elegant, more simple, more brilliant, more economical, more creative, indeed more divine than a planet with millions of life forms, distinct and yet interactive, all ultimately derived from accumulated variations in a single double-stranded molecule, pliable and fecund enough to give us mollusks and mice, Newton and Einstein? Even if it did give us the Kansas State Board of Education, too.

Design Inteligente pode ser uma filosofia interessante, mas como ciência, é uma fraude.

Uma “teoria” que viola os requerimentos científicos mais básicos.

Como é ridículo fazer da evolução a inimiga de Deus. O que poderia ser mais elegante, mais simples, mais brilhante, mais econômico, mais criativo, e mais divino, do que um planeta com milhões de formas de vida, diferentes e interagindo, todas derivadas, em última análise, de variações acumuladas sobre uma molécula de fita dupla, maleável e fecunda o suficiente para nos dar moluscos e camundongos, Newton e Einstein?

Phony Theory, False Conflict – Intelligent Design’ Foolishly Pits Evolution Against Faith – Charles Krauthammer

Design Inteligente não é ciência. É questão de fé, e até hoje não produziu benefício algum para a humanidade (diferente da evolução e das ciências verdadeiras em geral). Não é nem de longe uma “alternativa” à evolução, porque se trata de pseudo-ciência, religião se fazendo passar por ciência. Logo, em hipótese alguma deve ser ensinado como se fosse ciência, nas escolas. Não é ciência, é religião. E que limita Deus às lacunas científicas, ou seja, na medida em que as lacunas vão sendo preenchidas, Deus vai diminuindo e se tornando inútil. Quão pequeno é esse Deus, ao qual só sobram as lacunas de conhecimento!

EvolutionFishDeanMacaulayEvolução é ciência de verdade, baseada em evidências e fatos. E ao contrário do que dizem os fundamentalistas (tanto ateus quanto religiosos), não é incompatível com Deus.

Você que sabe se deseja que seus filhos aprendam falsa ciência, ou a verdadeira ciência que tantos benefícios tem trazido para a humanidade, ao contrário de pseudo-ciências como o DI.

Eu já fiz minha escolha, aliás, nunca pensei diferente; jamais considerei o DI como alternativa a ser seriamente levada em conta, pelo simples motivo de que sempre soube que não é ciência de fato.  A diferença é que antes eu não era cristã.


Com a cara de um bem-aventurado

setembro 28, 2009

por Caio Fábio

Jesus, pois, vendo as multidões, subiu ao monte; e, tendo se assentado, aproximaram-se os seus discípulos, e ele se pôs a ensiná-los, dizendo: Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus. Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós. Portanto: Bem-aventurados os que Hoje entenderem com compreensão: Bem-aventurados os humildes de espírito; mas eles são encontrados no presente em muitas dores e exercícios para o coração. Bem-aventurados os que choram; mas eles são levados a serem encontrados sem mais nenhum disfarce de controle sobre sua própria condição. Bem-aventurados os mansos; mas são eles que exercem sua força mediante um poder maior que o poder: o auto-controle, fruto de boa consciência. Bem-aventurados os limpos de coração; mas eles são aqueles que hoje buscam olhar a vida com os olhos do Deus que é Pai. Bem-aventurados pacificadores; mas são eles os que buscam a vitória da verdade em amor. Bem-aventurado os que têm fome e sede de justiça; mas eles são hoje, os de sempre: os que lutam pela elevação do que é mais divinamente humano aos olhos de Deus. Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça; mas eles são os que sempre são perseguidos por causa do que é justo, e quem tem o poder negue-lhes justiça. Bem-aventurados são aqueles que por minha causa sejam injuriados, maltratados, e que sejam objeto de toda sorte de mentiras. Afinal, vocês são eles; aqueles que sempre discerniram que para além da justiça, há o Justo; para além da verdade, há o Verdadeiro; para além da sabedoria, há o Caminho; para além da existência, há a Vida; e que para além da energia, há o Deus que é Amor. E por que fazer tal inversão? Que subversão seria essa? Que pretensão há nessas palavras? Perdeu o juízo? Que deu nele? Só faltava essa!!! Certamente essas seriam as piores vozes que eu ouviria, isso muito à distância! E se insistissem muito em brigar comigo pela minha ousadia, eu, certamente, não resistiria; e, perdendo o controle; sem humildade; chateado com a falta de justiça; crendo que estava vendo as coisas com um olhar bem menos incriminador; triste de perceber que não gostam da paz e da verdade; chorando desconsoladamente–me voltaria “contra” tais pessoas; e, mesmo que o risco fosse perder a minha própria vida, porém considerando a Cruz e a Graça de nosso Senhor Jesus Cristo, talvez histérica e pacificamente, lhes daria a minha pior resposta: Vocês querem saber por que? É? Por que, é? Por que? é isso? Por simples razões. Se não for bastante, me perdoem. Mas é só o que sei. Não adianta, nunca serei convencido de outra coisa! Então, ouçam, depois decidam o que façam comigo. Confesso que sou escravo das seguintes certezas: Pois deles é o reino dos céus! Pois deles é a mais plena satisfação! Pois eles são os que serão, e os que andam neste planeta sem que se saiba que eles já são os herdeiros da Terra! Pois eles limparão cada vez mais com amor e graça o olhar com o qual vêem a vida, até que um dia eles, sem perceber, acordem vendo a Deus; assim, sem mais nem menos! Pois, eles, mesmo quando escorraçados são vistos até pelos algozes como filhos de Deus! Pois eles encontrarão plenitude de ser! Pois eles sempre serão gente dos céus, na Terra: homens dos quais o mundo não era digno; eles andam vendo a eternidade! Pois eles serão sempre aqueles que nunca temeram crer no que sabiam ser a Palavra de Deus—como sempre aconteceu antes e adiante acontecerá, e assim como é hoje: sendo cidadãos dos céus, enquanto são maltratados no chão da Terra! Eles suportam porque já encontraram Aquele que é mais que poder: é Amor! Bem-aventurados… Só por isto que eu malcriadamente responderia. Será que é para o mal de alguém? Bem, de preferência não me persigam por isso. Mas se não quiserem, não me poupem também. Sabem por que? Porque o que é, é; isto é tudo e tudo é! Nele tudo subsiste! Ele é antes de todas as coisas! Ele é o Cordeiro imolado Antes! Ele é o Cordeiro que estará presente Depois, como Luz sobre todos. Ele é Aquele que é! Eu sou Nele! Tenho apenas que andar pela fé! Até a fé Ele me deu! Sou ou não sou um bem-aventurado Nele? E sabe: isso é para todo aquele que Nele crer! Se é assim, não reclame. Apenas abrace!

Caio

Com a cara de um bem-aventurado – Caio Fábio


Oração franciscana

setembro 28, 2009

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.


Richard Dawkins na Newsweek

setembro 28, 2009

Newsweek: São posições incompatíveis: acreditar em Deus e ser evolucionista?

Richard Dawkins: Não, eu não acho que são posições incompatíveis, porque há muitos cientistas evolucionistas que também acreditam em Deus, para citar apenas Francis Collins [o geneticista cristão e recentemente escolhido para dirigir o National Institute of Health], como um excelente exemplo. Por isso, é claramente possível ser ambos (cristão e evolucionista).

[…]

Richard Dawkins: O Deus do Antigo Testamento é um monstro. É muito, muito difícil para qualquer um, negar isso.

Pois é, Richard. Mas ouso discordar de você, e dizer que não é Deus o monstro. As pessoas da época é que agiam com monstruosidade, e atribuíam a própria monstruosidade, a Deus.

Darwin’s Rottweiler – Newsweek


Mission and Expansion of Christianity in the First Three Centuries – Adolf Harnack

setembro 28, 2009

Trecho do prefácio escrito pelo tradutor:

Ele (Adolf Harnack) tenta explicar como, por quê  e onde, em pouco mais de três séculos, um movimento religioso oriental que era originalmente uma simples onda dissidente no vasto mar do paganismo, se levantou e varreu interesses, preconceitos, tradições e a autoridade da mais poderosa organização política e social que o planeta havia conhecido. As principais causas e consequências desta transição, com tudo que envolve a vida interior e de culto da religião, formam o assunto do Dr Harnack nestas páginas.

James Moffatt (tradutor e editor)

Mission and Expansion of Christianity in the First Three Centuries – Adolf Harnack

Biografia – Adolf von Harnack


Carta aberta sobre religião e ciência

setembro 27, 2009

Dentro da comunidade cristã há áreas de disputas e desacordos, incluindo a maneira apropriada de interpretar-se a Sagrada Escritura. Enquanto praticamente todos os cristãos levam a Bíblia a sério e afirmam que ela é autoridade de fé e prática, a grande maioria não lê a Bíblia literalmente, como o fariam com um livro científico. Muitas das estimadas estórias encontradas na Bíblia – a Criação, Adão e Eva, A Arca de Noé – transmitem verdades atemporais sobre Deus, os seres humanos e o relacionamento apropriado entre Criador e criatura, expressadas da única forma capaz de transmitir estas verdades de uma geração a outra. A verdade religiosa é de uma ordem diferente da verdade científica. Seu propósito não é o de transmitir informação científica, mas de transformar corações.

Nós os assinantes, clérigos cristãos de tradições das mais diversas, acreditamos que essas verdades atemporais da Bíblia e as descobertas da ciência moderna podem coexistir confortavelmente. Nós acreditamos que a teoria da evolução é uma verdade científica fundamental, uma verdade que resistiu a rigorosos escrutínios e sobre a qual muito do conhecimento humano e suas realizações se apoiam. Rejeitar esta verdade ou tratá-la como “uma teoria entre outras” é deliberadamente aceitar ignorância científica e transmitir esta ignorância aos nossos filhos. Nós acreditamos que entre os dons dados por Deus estão mentes humanas capazes de pensamento crítico e que o fracasso de fazer uso da faculdade da razão dada por Deus é rejeitar a vontade do nosso Criador. Argumentar que o plano amoroso de salvação da humanidade impede o uso total da faculdade da razão, é uma tentativa de limitar Deus, é um ato de arrogância. Nós solicitamos com insistência  os conselhos escolares a preservar a integridade do currículo científico afirmando que o ensino da teoria da evolução é um componente essencial do conhecimento humano. Nós pedimos que a ciência mantenha-se ciência e que a religião permaneca religião, duas formas muito differentes, mas complementárias da verdade.

The Clergy Letter Project – Carta aberta sobre religião e ciência

Clergy Letter Project na Wikipédia