Sobre a fé

março 4, 2019

Acabei de ler Dynamics of Faith, de Paul Tillich. Nele, o autor discorre sobre o que é fé, quais seus tipos e sua dinâmica.

Paul Tillich explica que nosso relacionamento com o sagrado, quando não embasado realmente em Deus, pode gerar uma fé idólatra, com consequências demoníacas e destrutivas. Segundo ele, quando alguém embasa sua fé em uma fonte de idolatria, qualquer falha pode fazer com que a pessoa perca o centro sobre o qual embasou toda a sua vida. Isso acontece quando colocamos como centro da nossa fé, uma figura de autoridade, uma nação, um livro, um conjunto de doutrinas. Muitos definem a fé como crença sem evidência, mas nada está mais longe da verdadeira fé do que isso. A fé entendida como crença sem evidência, entra em conflito com a razão, pois muitas vezes a razão vai contra as interpretações literais que o fiel faz sobre mitos e símbolos da sua religião. Acontece com o cristianismo, quando a história da criação contida no livro de Gênesis é levada ao pé da letra. O conflito com a razão é inevitável.

Já a fé verdadeira, coloca Deus em seu centro, e a partir dEle, constrói todo o resto. A fé verdadeira não se opõe à razão, pois estão em dimensões diferentes, e o conflito entre ambas não existe. A fé verdadeira usa mitos, símbolos, rituais e sacramentos como forma de expressão de uma realidade transcendente, e não interpreta símbolos e mitos como se fossem verdades literais.

A fé idólatra é destrutiva, entra em conflito com a razão e com a ciência. A fé quando entendida como crença sem evidência, não admite a dúvida. A fé idólatra gera fanatismo, e o fanático não consegue amar o que vai contra a sua crença. A fé como um conjunto de doutrinas aceitas e defendidas apaixonadamente, não consegue produzir atos de amor. Os mais terríveis crimes contra o amor foram cometidos em nome de doutrinas defendidas fanaticamente. A fé idólatra é necessariamente fanática. A fonte da idolatria é também a fonte da intolerância.

A fé verdadeira é criativa e não tenta ocupar o espaço da razão nem o da ciência. A dúvida é um elemento da sua estrutura, assim como a coragem e o risco. A verdadeira fé é um ato pessoal, individual. Implica no amor, como desejo de reunir os que estão separados dela. Seus rituais e sacramentos não são supersticiosos, mas apenas meios de expressão e de relacionamento com o Ser supremo.

Quando os rituais e sacramentos são distorcidos e vistos como realidades mágicas pela fé idólatra, isso afasta as pessoas, e elas passam a adotar sistemas morais sem religião. Se um mito é interpretado literalmente pela fé idólatra, a filosofia, a razão e a ciência o rejeitam como absurdo. Quando histórias sagradas deixam de ser vistas como mitos, o mito se transforma em filosofia da religião, e finalmente, em filosofia sem religião.

A expressão do amor gerado pela verdadeira fé, é a ação. O elo de ligação entre a fé e a ação é o amor. O tipo de fé determina o tipo de amor e o tipo de ação. A idolatria é incapaz de gerar ação baseada no amor, pois o idólatra não consegue amar o próximo como ama a si mesmo e como ama as doutrinas da sua religião.

Muitas igrejas protestantes, ao tentar eliminar a superstição do culto, destruíram também o ritual e eliminaram a experiência do sagrado, deixando espaço apenas para a fé idólatra, sem amor e sem ação. Nota-se muito disso no Brasil, onde a pessoa se diz crente mas não há nenhum sinal disso na sua vida. Não há indício de preocupação com o próximo nem de transformação de caráter. O crente médio é um repetidor de chavões e de comportamentos impostos por um líder que se diz pastor, mas não é.  O pastor se torna um condicionador de comportamento em vez de ser alguém que instiga o fiel a buscar ser parecido com Cristo.

Deus nos livre de nos tornarmos idólatras, ou adeptos de uma filosofia sem religião, distante do sagrado e vazia. Deus nos livre de preferir o condicionamento a regras de comportamento e chavões, em vez de deixar o Espírito dEle nos moldar.