O filho do homem

setembro 22, 2019

Trechos do livro O filho do homem, de François Mauriac

[…]Nossa fé esbarra no escândalo desse fracasso. Sabemos, contudo, que o amor não se impõe: o amor do Filho do Homem tanto qualquer outro amor. O amor exige corações que se recusem e corações que se deem. E Deus, porque é amor, pode ser rejeitado. Caso se tivesse imposto à sua criatura, seria um outro deus, mas não o nosso, e o homem não seria, entre todos os animais, aquele que ergue uma fronte orgulhosa e esta cabeça que pode, meneando da esquerda para a direita, fazer o sinal de negação. Toda a vida cristã está contida neste consentimento dado e nunca  retomado; nenhum amor se apodera à força do ser que ama. Convida, solicita: e é primeiro que isso a Graça.

Ela faz mais que convidar, que solicitar, e nisso difere do amor humano: age no nosso íntimo. Não há homem que, sabendo exprimir-se e se conhecendo, não possa acompanhar e descrever, através do seu destino, esse rasto de uma perseguição, e mostrar determinada encruzilhada no caminho onde foi chamado pelo próprio nome. Há aí Alguém que sempre esteve nesse lugar, mas que sempre trocamos por tudo, por qualquer coisa. É somente no deserto do entardecer da vida que mesmo aqueles que foram mais ou menos fiéis e seguiram de longe o Senhor, é só na aridez da velhice, que O preferem de fato, uma vez que, então, não há mais ninguém e nada mais resta.[…]

[…] Ter conhecimento do fracasso antes de haver empreendido alguma coisa, da recusa antes de haver solicitado, a aceitação desse mistério do mal que não será vencido porque pode ser preferido e é preciso que o possa ser, senão Deus não seria amor: toda a vida oculta do Senhor talvez esteja contida nesse conhecimento e nessa aceitação. E se Ele foi chamado, durante a vida pública, Jesus de Nazaré, Nazaré ressoa aqui não como a evocação de sua pequena pátria, mas como o título de uma nobreza insigne: a do artífice estendido e pregado de antemão, em espírito, sobre esses pedaços de madeira que suas pobres mãos de operário aplainam.[…]

[…] Esse Reino que não é deste mundo e está no âmago dos seus corações, eles não o conhecem, e só o conhecerão quando o Espírito lhes tiver comunicado o seu ardor. Vivo, o Filho do Homem permanece desprezado e mesmo desconhecido. Tem-se por vezes a impressão de que só encontra nas criaturas aquilo que Ele próprio nelas depositou.[…]

[…] Lá onde os homens nada podem, Ele surge de repente e, no arroubo da impaciência característica dos vencedores que não admitem delongas, corta de pronto as dificuldades e as contradições; basta-Lhe um instante para inverter e destruir tudo o que uma pobre vida, durante anos, opõe à Graça.[…]

[…] Não pensemos, todavia, que esses primeiros cristãos fossem homens de uma espécie diferente da nossa e de uma vida espiritual essencialmente diversa. Na realidade, esses irmãos dos tempos heroicos assemelham-se mais a nós do que imaginamos. Num ponto muito importante, nossa condição se aproxima da deles. Hoje, na medida em que o mundo se descristianiza e volta sob formas novas às velhas idolatrias da cidade, da raça e do sangue, o cristão autêntico não está menos isolado na sociedade moderna do que o estiveram os primeiros cristãos sob o império dos césares, e muitos não opunham uma resistência maior que a nossa contra esta corrupção que os envolvia por todos os lados. A força do hábito nos impede de sentir essa contradição entre a Cruz e um mundo, depois de tantos séculos, tão irredutível como o era quando os primeiros discípulos começaram a enfrentar o paganismo.[…]

[…]Quaisquer que tenham sido as provações sofridas, seu Deus não era diferente dAquele que as almas de hoje conhecem e cujo silêncio e cuja ausência desolam os que se fiaram excessivamente nas manifestações sensíveis da Graça. Para eles, como para nós, era preciso não renegar na hora das trevas o que nos fora revelado em plena luz. É esse, na realidade, o velho drama cristão.[…]

[…]Não, não cedamos jamais à tentação de desprezar uma humanidade de que o Filho de Deus não somente revestiu a carne e assumiu a natureza, mas também consagrou por seu amor. E, se não devemos ceder à tentação de desprezar os outros, não devemos tampouco ceder à tentação de nos desprezar a nós mesmos.

“Venha a nós o vosso reino”, imploramos no Pai Nosso; somos milhões e milhões de criaturas a repeti-lo há quase 2 mil anos, depois que nos foi ensinada essa oração, na certeza absoluta de sermos atendidos um dia. Já o fomos, entretanto; o Reino já chegou, encontra-se no meio de nós, dentro de nós, de maneira que nunca somos vencidos senão em aparência: e como a angústia é a própria condição de nossa paz, a derrota é a própria condição da nossa vitória. “Tende confiança, Eu venci o mundo.” Aquele que lançou tal desafio ao mundo fê-lo justamente na hora em que ia ser traído, ultrajado, ridicularizado, pregado no patíbulo do escravo.