A bolha fundamentalista

agosto 28, 2020

A bolha fundamentalista da qual fazem parte muitos que se dizem cristãos do Brasil é assim: todos dentro desta bolha fingem que são santos e todos dentro da bolha fingem acreditar mutuamente na santidade uns dos outros. Quando a sujeira embaixo do tapete se torna uma montanha de merda impossível de esconder, eles logo dizem: “fulano nos enganou”, como fez a ministra Damares Alves sobre a Flordelis.

Quem acompanha, mesmo de longe o submundo gospel, sabe como é. Isso já aconteceu antes e continuará acontecendo. Quando um dos que eram considerados santos cai em desgraça, logo os demais tentam se descolar dele como se nada tivessem com aquilo. E contam com a falta de memória das ovelhas incautas, para continuar com seu teatrinho. Muitas vezes a amnésia é fingida, todos sabem mas ninguém mais fala no assunto.

Não, Damares. Você não foi enganada como diz, pois é escolha de todos na sua bolha esta idolatria mútua. Vocês escolhem este fingimento e o culto das aparências enquanto escondem a sujeira interior. Escolhem caiar o sepulcro e manter toda a imundície lá dentro, intocada, enquanto fingem santidade. Jesus já falou sobre vocês e só pessoas mantidas na ignorância e sem nada saber do evangelho, acreditam nessa conversa.

Parem de fingir, parem de mentir. Ou façam como sempre e apliquem uma nova demão de cal no sepulcro, enquanto esperam o escândalo de mais uma celebridade gospel caída em desgraça, passar. Quando uma celebridade da bolha cai, aparece outra no lugar, uma outra história mirabolante qualquer, e as ovelhas seguem como se nada tivessem aprendido ou percebido.

O evangelho os descreve com todas as letras. Vocês escolhem mentir uns aos outros, mas não conseguem enganar a todos. Prosseguem nessa ciranda de auto engano mútuo, quando na verdade estão dançando sobre as brasas do inferno. E quem brinca com fogo, sempre acaba se queimando.


Flordelis ou Flordomal?

agosto 26, 2020

Os dois vídeos do Caio Fábio resumem toda a história da Flordelis e sua indústria de adoções terminada em tragédia.

Não era um lar e muito menos uma família, e sim uma casa de horrores. E deve ter muito mais sujeira embaixo desse tapete.


Carta aberta a Roberto Alvim

janeiro 21, 2020

Assisti uns vídeos disponíveis na Internet onde você fala sobre sua conversão, cura de uma grave doença, e suposta rejeição na cena teatral por se declarar cristão e apoiador de Bolsonaro. Assisti também sua vergonhosa encenação de Joseph Goebbels. Sua encenação, ao contrário do que diz, não foi coincidência coisa nenhuma, foi planejada nos mínimos detalhes, então tome vergonha na cara e assuma isso, como homem. Também ouvi e li seus comentários subsequentes sobre concordar com o que disse Joseph Goebbels sobre a cultura.

Amigo, se você concorda com o pensamento de um expoente do Nazismo, você pensa como um nazista. Ou seja, não tem nada de cristão. Acorda!

Lamento muito que seus primeiros passos na fé cristã tenham sido dados na companhia de um charlatão como Olavo de Carvalho, este mesmo que lhe chamou de trouxa, após sua breve e vergonhosa estadia como Secretário da Cultura. Abandonar os seus na beira da estrada como fez este seu suposto guru, também não é atitude de cristão. Deus jamais abandona os seus e é o exemplo dEle que o louco da Virgínia devia seguir.

Você foi parar no colo de Olavo de Carvalho e seu bando de seguidores adoecidos, num momento muito sensível da sua vida, num limbo entre sair do ateísmo e se descobrir teísta de um dia para o outro. Sei muito bem como é isso, pois passei pela mesma experiência. Mas ao contrário de você, pessoas amorosas e verdadeiramente cristãs estiveram por perto, e não picaretas metidos a gurus como no seu caso. Lamento muito você ter caído nessa armadilha. Foi pessimamente influenciado, e deu ouvidos a profetadas sobre um suposto papel grandioso seu, como naquele vídeo na Bola de Neve, mesmo sendo ainda um neófito na fé e com muito a aprender.

Então, se você caiu da forma como caiu, foi por sua própria culpa, e não por culpa de um ser do mal como disse desconfiar. Assuma a responsabilidade pela grande merda que você fez. Repito: o único culpado é você mesmo. Caiu no canto da sereia do ufanismo gosṕel e se deu mal. Se juntou a fanáticos sem escrúpulos e se deu mal. Simples assim. Já vi esse filme mais de uma vez.

Espero que o episódio mostre a você que antes de querer curar a cultura ou um país, você precisa curar a si mesmo. E pelo que vi, está muito longe de ser curado. Deixe de pensar apenas em agradar seus pares, como está acostumado a fazer desde quando era ateu e agora também como cristão. Comece a pensar com sua própria cabeça. Cresça, pare de beber leite estragado do Olavo de Carvalho, e vá procurar comida saudável, em vez de se juntar com esse bando de fanáticos picaretas e se tornar mais um deles. Fanáticos são insuportáveis e ninguém enxerga a luz ou o amor do Pai por meio deles. Não é a toa que ninguém mais leva você a sério, pois se tornou um bitolado doente que ninguém gosta de ter por perto. Se pudesse, forçaria os outros a virarem cristãos, quando você mesmo não foi forçado a nada. Não hesitaria em forçar as pessoas a aceitarem sua ideia tosca de cultura (a mesma ideia defendida por Goebbels, o nazista).  É a sua visão ou nada, como você afirmou, não é? Se enxergue, veja o papel ridículo que está fazendo, quando podia ter aproveitado o relacionamento com Deus de formas muitos melhores. Dá tempo ainda. Mas a escolha é sua.

E por último, você se disse perseguido no meio teatral por conta da sua mudança com relação à fé. E o que fez quando recebeu uma oportunidade de mostrar seu trabalho? Encenou uma apresentação nazista pavorosa, como se não fosse nada demais, e envergonhou o país mundialmente. Nisso que dá acreditar em falsos profetas que são treinados para falar o que as pessoas querem ouvir. Aprenda para a próxima.


Continue batendo, Porta dos Fundos

dezembro 21, 2019

Sobre o “especial” de Natal do Porta dos Fundos, direi apenas o seguinte: ao longo da história do Cristianismo, muitas foram as pessoas, antes perseguidoras e até assassinas de cristãos, a se tornarem depois seguidoras de Cristo. Algumas delas, se tornaram mártires.

Sendo assim, continuem batendo na porta, mesmo que seja a dos fundos, e um dia ela se abrirá, e vocês conhecerão não esse Cristo ou essa igreja dos seus estereótipos e clichês, e sim o verdadeiro Cristo e sua igreja verdadeira. Enquanto isso, prossigam com suas piadas e chacotas. Alguém que foi torturado até a morte, não liga para isso, e nem para filminhos que vocês consideram humorísticos, mas são apenas chacota infantil.

Eu, falando como alguém que já fez o mesmo, e depois se tornou mais uma discípula do Mestre, espero por vocês.

“Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta.
Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Lucas 11:9,10

O filho do homem

setembro 22, 2019

Trechos do livro O filho do homem, de François Mauriac

[…]Nossa fé esbarra no escândalo desse fracasso. Sabemos, contudo, que o amor não se impõe: o amor do Filho do Homem tanto qualquer outro amor. O amor exige corações que se recusem e corações que se deem. E Deus, porque é amor, pode ser rejeitado. Caso se tivesse imposto à sua criatura, seria um outro deus, mas não o nosso, e o homem não seria, entre todos os animais, aquele que ergue uma fronte orgulhosa e esta cabeça que pode, meneando da esquerda para a direita, fazer o sinal de negação. Toda a vida cristã está contida neste consentimento dado e nunca  retomado; nenhum amor se apodera à força do ser que ama. Convida, solicita: e é primeiro que isso a Graça.

Ela faz mais que convidar, que solicitar, e nisso difere do amor humano: age no nosso íntimo. Não há homem que, sabendo exprimir-se e se conhecendo, não possa acompanhar e descrever, através do seu destino, esse rasto de uma perseguição, e mostrar determinada encruzilhada no caminho onde foi chamado pelo próprio nome. Há aí Alguém que sempre esteve nesse lugar, mas que sempre trocamos por tudo, por qualquer coisa. É somente no deserto do entardecer da vida que mesmo aqueles que foram mais ou menos fiéis e seguiram de longe o Senhor, é só na aridez da velhice, que O preferem de fato, uma vez que, então, não há mais ninguém e nada mais resta.[…]

[…] Ter conhecimento do fracasso antes de haver empreendido alguma coisa, da recusa antes de haver solicitado, a aceitação desse mistério do mal que não será vencido porque pode ser preferido e é preciso que o possa ser, senão Deus não seria amor: toda a vida oculta do Senhor talvez esteja contida nesse conhecimento e nessa aceitação. E se Ele foi chamado, durante a vida pública, Jesus de Nazaré, Nazaré ressoa aqui não como a evocação de sua pequena pátria, mas como o título de uma nobreza insigne: a do artífice estendido e pregado de antemão, em espírito, sobre esses pedaços de madeira que suas pobres mãos de operário aplainam.[…]

[…] Esse Reino que não é deste mundo e está no âmago dos seus corações, eles não o conhecem, e só o conhecerão quando o Espírito lhes tiver comunicado o seu ardor. Vivo, o Filho do Homem permanece desprezado e mesmo desconhecido. Tem-se por vezes a impressão de que só encontra nas criaturas aquilo que Ele próprio nelas depositou.[…]

[…] Lá onde os homens nada podem, Ele surge de repente e, no arroubo da impaciência característica dos vencedores que não admitem delongas, corta de pronto as dificuldades e as contradições; basta-Lhe um instante para inverter e destruir tudo o que uma pobre vida, durante anos, opõe à Graça.[…]

[…] Não pensemos, todavia, que esses primeiros cristãos fossem homens de uma espécie diferente da nossa e de uma vida espiritual essencialmente diversa. Na realidade, esses irmãos dos tempos heroicos assemelham-se mais a nós do que imaginamos. Num ponto muito importante, nossa condição se aproxima da deles. Hoje, na medida em que o mundo se descristianiza e volta sob formas novas às velhas idolatrias da cidade, da raça e do sangue, o cristão autêntico não está menos isolado na sociedade moderna do que o estiveram os primeiros cristãos sob o império dos césares, e muitos não opunham uma resistência maior que a nossa contra esta corrupção que os envolvia por todos os lados. A força do hábito nos impede de sentir essa contradição entre a Cruz e um mundo, depois de tantos séculos, tão irredutível como o era quando os primeiros discípulos começaram a enfrentar o paganismo.[…]

[…]Quaisquer que tenham sido as provações sofridas, seu Deus não era diferente dAquele que as almas de hoje conhecem e cujo silêncio e cuja ausência desolam os que se fiaram excessivamente nas manifestações sensíveis da Graça. Para eles, como para nós, era preciso não renegar na hora das trevas o que nos fora revelado em plena luz. É esse, na realidade, o velho drama cristão.[…]

[…]Não, não cedamos jamais à tentação de desprezar uma humanidade de que o Filho de Deus não somente revestiu a carne e assumiu a natureza, mas também consagrou por seu amor. E, se não devemos ceder à tentação de desprezar os outros, não devemos tampouco ceder à tentação de nos desprezar a nós mesmos.

“Venha a nós o vosso reino”, imploramos no Pai Nosso; somos milhões e milhões de criaturas a repeti-lo há quase 2 mil anos, depois que nos foi ensinada essa oração, na certeza absoluta de sermos atendidos um dia. Já o fomos, entretanto; o Reino já chegou, encontra-se no meio de nós, dentro de nós, de maneira que nunca somos vencidos senão em aparência: e como a angústia é a própria condição de nossa paz, a derrota é a própria condição da nossa vitória. “Tende confiança, Eu venci o mundo.” Aquele que lançou tal desafio ao mundo fê-lo justamente na hora em que ia ser traído, ultrajado, ridicularizado, pregado no patíbulo do escravo.