Carta aberta a Roberto Alvim

janeiro 21, 2020

Assisti uns vídeos disponíveis na Internet onde você fala sobre sua conversão, cura de uma grave doença, e suposta rejeição na cena teatral por se declarar cristão e apoiador de Bolsonaro. Assisti também sua vergonhosa encenação de Joseph Goebbels. Sua encenação, ao contrário do que diz, não foi coincidência coisa nenhuma, foi planejada nos mínimos detalhes, então tome vergonha na cara e assuma isso, como homem. Também ouvi e li seus comentários subsequentes sobre concordar com o que disse Joseph Goebbels sobre a cultura.

Amigo, se você concorda com o pensamento de um expoente do Nazismo, você pensa como um nazista. Ou seja, não tem nada de cristão. Acorda!

Lamento muito que seus primeiros passos na fé cristã tenham sido dados na companhia de um charlatão como Olavo de Carvalho, este mesmo que lhe chamou de trouxa, após sua breve e vergonhosa estadia como Secretário da Cultura. Abandonar os seus na beira da estrada como fez este seu suposto guru, também não é atitude de cristão. Deus jamais abandona os seus e é o exemplo dEle que o louco da Virgínia devia seguir.

Você foi parar no colo de Olavo de Carvalho e seu bando de seguidores adoecidos, num momento muito sensível da sua vida, num limbo entre sair do ateísmo e se descobrir teísta de um dia para o outro. Sei muito bem como é isso, pois passei pela mesma experiência. Mas ao contrário de você, pessoas amorosas e verdadeiramente cristãs estiveram por perto, e não picaretas metidos a gurus como no seu caso. Lamento muito você ter caído nessa armadilha. Foi pessimamente influenciado, e deu ouvidos a profetadas sobre um suposto papel grandioso seu, como naquele vídeo na Bola de Neve, mesmo sendo ainda um neófito na fé e com muito a aprender.

Então, se você caiu da forma como caiu, foi por sua própria culpa, e não por culpa de um ser do mal como disse desconfiar. Assuma a responsabilidade pela grande merda que você fez. Repito: o único culpado é você mesmo. Caiu no canto da sereia do ufanismo gosṕel e se deu mal. Se juntou a fanáticos sem escrúpulos e se deu mal. Simples assim. Já vi esse filme mais de uma vez.

Espero que o episódio mostre a você que antes de querer curar a cultura ou um país, você precisa curar a si mesmo. E pelo que vi, está muito longe de ser curado. Deixe de pensar apenas em agradar seus pares, como está acostumado a fazer desde quando era ateu e agora também como cristão. Comece a pensar com sua própria cabeça. Cresça, pare de beber leite estragado do Olavo de Carvalho, e vá procurar comida saudável, em vez de se juntar com esse bando de fanáticos picaretas e se tornar mais um deles. Fanáticos são insuportáveis e ninguém enxerga a luz ou o amor do Pai por meio deles. Não é a toa que ninguém mais leva você a sério, pois se tornou um bitolado doente que ninguém gosta de ter por perto. Se pudesse, forçaria os outros a virarem cristãos, quando você mesmo não foi forçado a nada. Não hesitaria em forçar as pessoas a aceitarem sua ideia tosca de cultura (a mesma ideia defendida por Goebbels, o nazista).  É a sua visão ou nada, como você afirmou, não é? Se enxergue, veja o papel ridículo que está fazendo, quando podia ter aproveitado o relacionamento com Deus de formas muitos melhores. Dá tempo ainda. Mas a escolha é sua.

E por último, você se disse perseguido no meio teatral por conta da sua mudança com relação à fé. E o que fez quando recebeu uma oportunidade de mostrar seu trabalho? Encenou uma apresentação nazista pavorosa, como se não fosse nada demais, e envergonhou o país mundialmente. Nisso que dá acreditar em falsos profetas que são treinados para falar o que as pessoas querem ouvir. Aprenda para a próxima.