Carta a Pinóquio – Albino Luciani

outubro 30, 2008

Quando o teu coração bater mais forte

Caro Pinóquio:

Tinha sete anos, quando li pela primeira vez as tuas Aventuras. Não te sei dizer quanto me agradaram e quantas vezes depois as voltei a ler. É que em ti, garoto, me reconhecia a mim mesmo; no teu ambiente, o meu próprio ambiente.

Quantas vezes corrias através do bosque, pelos campos, na praia, pelas estradas! E contigo corriam a Raposa e o Gato, o cão Medoro, os rapazes da batalha dos livros. Pareciam as minhas corridas, os meus companheiros, as estradas e os campos em minha aldeia.

Ias ver as grandes carruagens que chegavam à praça; também eu. Aninhavas-te, torcias a boca, metias a cabeça debaixo dos cobertores antes de tomar o remédio amargo; também eu. A fatia de pão com manteiga dos dois lados; o rebuçado com licor dentro; a “bolinha de açúcar” e, em certas ocasiões, mesmo um ovo, uma pera, até as cascas da pera, representavam uma “meta” radiosa para ti, guloso e cheio de fome; o mesmo sucedia comigo.

Também eu, indo e voltando da escola, vinha envolvido em “batalhas”; à base de bolas de neve na estação invernosa; à base de “caneladas” e coisas semelhantes em todas as estações do ano; “encaixava” um tanto, dava outro tanto, procurando igualar as receitas e as despesas e não choramingar depois em casa, que, se me queixasse, me teriam talvez dado o “resto”!

Agora tu voltaste. Não falaste mais de dentro das páginas do livro, mas na tela da televisão; permaneceste, contudo, o garoto de então.

Eu, pelo contrário, envelheci; encontro-me já, se é lícito falar assim, do outro lado da barricada; já não me reconheço em ti, mas nos teus conselheiros; o pai Gepeto, o Grilo Falante, o Melro, o Papagaio, o Pirilampo, o Caranguejo, a Marmotinha.

Eles tentaram – sem resultado, tirando o caso do Atum – dar-te conselhos para a tua vida de criança.

Eu tento dar-tos para o teu futuro de rapaz e de jovem. Mas olha, não tentes sequer atirar-me o martelo de costume; não estou disposto a ter o mesmo fim do pobre Grilo Falante.

Notaste que não enumerei, entre os “conselheiros”, a Fada? Não me agrada o seu sistema. Perseguido pelos assassinos, tu bates desesperado à porta da sua casa; ela aparece à janela, rosto branco como uma imagem de cera, não te abre a porta e deixa que te enforquem.

É verdade que te liberta mais tarde dos carvalhos, mas depois prega-te a peça de fazer entrar no teu quarto de doente, aqueles quatro coelhos negros como alcatrão, que levam às costas um pequeno caixão.

Não chega. Fugido por milagre do assador do Pescador verde, tu voltas para casa paralisado, que é noite escura e chove à cântaros. A Fada faz-te encontrar a porta fechada e, depois de todo o teu desesperado bater, envia-te o Caracol, que gasta nove horas a descer do quarto andar  e a levar-te – meio morto de fome – um pão de gesso, um frango de cartão, e quatro damascos de alabastro pintados ao natural.

Pois bem, não se procede assim com os rapazes que erram, especialmente se estão chegando ou já chegaram à idade chamada preciosa ou, que é o mesmo, idade difícil, que vai dos 13 aos 16 anos, e que será daqui por diante a tua idade, Pinóquio.

Experimentá-la-ás: idade difícil, quer para ti, quer para os teus educadores. Como já não és garoto, desdenharás, de fato, a companhia, as leituras, os jogos dos pequenos; como ainda não és homem, sentir-te-ás incompreendido e quase repelido pelos adultos.

A braços com a fadiga do crescimento físico rápido, parecer-te-á que te encontras imprevistamente em cima de pernas quilométricas, braços de Briareo e voz estranhamente mudada e inaudita.

Sentirás, prepotente, a necessidade de afirmar o teu eu; por um lado encontrar-te-ás em oposição com o ambiente da família e da escola; e por outro lado entrarás a todo vapor na solidariedade das “tribos”. Por um lado, exiges independência da família; por outro, tens fome e sede de ser aceito pelas pessoas da tua idade e de depender deles.

Quanto medo de ser diferente dos outros! Para onde vai o bando, tu queres ir. Onde o bando pára, tu queres parar. As brincadeiras, a linguagem, os passatempos dos outros, faze-os teus. Aquilo que eles vestem, tu vestes; Num mês, todos os rapazes vão de camiseta e jeans; no mês seguinte, todos usam blusões, calças coloridas, sapatos pretos com atacadores brancos. Em certas coisas, inconformistas; noutras coisas, sem sequer vos dardes conta, conformistas a cem por cento.

E de humor mutável! Hoje, sereno e dócil como eras aos dez anos; amanhã, decidido a tornar-te ator de teatro. Hoje, audaz e despreocupado; amanhã tímido e quase ansioso. Quanta paciência, indulgência, amor e compreensão deverá ter contido o pai Gepeto!

Mas há mais: Tornar-te-ás introspectivo, começarás portanto a olhar dentro de ti mesmo, e descobrirás coisas novas; despertará em ti a melancolia, a necessidade de sonhar de olhos abertos, o sentimento e também o sentimentalismo. Pode acontecer que, já no oitavo ou nono ano de escolaridade, tu sintas o coração bater mais forte, como aconteceu com o jovem David Copperfield, que diz: “Eu adoro Miss Shepherd. É uma menina com um casaquinho curto, um rosto redondo e cabelos encaracolados: na igreja não posso olhar para o meu livro, porque tenho que olhar para Miss Shepherd; coloco Miss Shepherd entre os membros da família real… no meu quarto sou ás vezes levado à exclamar: Oh Miss Shepherd…!” Quereria saber porque ofereço secretamente à Miss Shepherd doze nozes do Brasil? Não são um símbolo de afeto, e no entanto, parece-me que ficam bem com Miss Shepherd. Ofereço também à Miss Shepherd biscoitos moles e insípidos; e inúmeras laranjas… Miss Shepherd é a única visão que pova a minha vida. Como é que aconteceu, após algumas semanas, que eu rompa com ela? Murmura-se que ela prefira o senhorito Jones.. um dia Shepherd faz uma careta ao passar-me ao lado e ri para a colega. Tudo acabou. A devoção de uma vida inteira desapareceu. Miss Shepherd sai das funções religiosas da manhã de domingo, e a família real já não a reconhece!”

Sucedeu à Copperfield, sucede à todos, sucederá também a ti, Pinóquio!

Mas como te assisitirão os “conselheiros”?

Para o fenômeno “crescimento”, o teu novo Grilo Falante deveria ser o velho Vitorino Feltre, um pedagogo que tanto amou os rapazes da tua idade e deu, na educação, enorme importância aos exercícios feitos ao ar livre.

A equitação, a natação, o salto, a esgrima, a caça, a pesca, a corrida, o tiro ao arco, o canto. Ele pretendia – também com estes meios – criar o clima sereno da sua “casa alegre” e dar uma saída útil à exuberância física dos seus jovens alunos. Ele teria dito de boa vontade, como mais tarde disse Parini:

“O que não pode uma alma ousada, se nos teus membros fortes tem vida?”

O teu amigo Atum, depois que no seu dorso te levou são e salvo até a praia, logo que saíste do ventre do tubarão, poder-te-ia ajudar – pacato e persuasivo como é – na próxima crise para a auto-afirmação de que acima falava.

Hoje o vosso sonho de jovens, não é apenas o automóvel; vós sonhais com todo um parque de estacionamento de auto morais: auto-escolha, auto-decisão, auto-governo, autonomia; recentemente, alguns rapazes tentaram até em Bolzano, uma auto-escola com condução própria!

“É justo – dizia na sua pacatez o sábio Atum – chegar à auto-decisão. Mas pouco a pouco; por degrauzinhos. Não se pode passar bruscamente da obediência total de criança à plena autonomia de adulto. Nem se pode empregar hoje, em tudo, o método forte que se usava antes. À medida que cresceres em idade, Pinóquio, crescerá em ti o desejo de autonomia. Pois bem, faz que cresça – com a ajuda externa de bons educadores – a consciência justa dos teus direitos e deveres; cresça o sentido de responsabilidade para usares bem a tão desejada autonomia.

Vê como, há mais de um século, eram educados os irmãos Visconti-Venosta, um, Giovanni, literato, e o outro, Emílio, homem político do nosso Ressurgimento: “Um dos modos de educar do meu pai era o de estar com os seus filhos o mais possível, de exigir de nós uma confiança ilimitada, dando-nos também muita, e de considerar-nos como pessoas um pouco maiores que a nossa idade; assim inspirava em nós o sentimento da responsabilidade e do dever. Éramos tratados como pequenos homens, o que nos lisonjeava bastante; por isso, era grande o nosso empenho em nos mantermos àquele nível.”

Na viagem para a autonomia, como quase todos os jovens pelos 17-20 anos, chocarás também tu, talvez, meu caro Pinóquio, contra uma dura escolha: o problema da fé.

Respirarás, de fato, objeções anti-religiosas, como se respira o ar, na escola, na indústria, no cinema, etc. Se tua fé é um monte de bom trigo, aí estará todo um exército de ratos a tomá-lo de assalto. Se é uma roupa, cem mãos tentarão rasgar-to. Se é uma casa, a picareta querê-la-á desmantelar. pedra a pedra. Será necessário defender-se; hoje da fé, apenas se conserva o que se defende.

Para muitas objeções há uma resposta convincente. Para outras, ainda não foi encontrada uma resposta completa. Que fazer? Não jogue fora a fé! “Dez mil dificuldades – dizia Newman – não formam ainda uma dúvida.”

E tem presente duas coisas. Primeira: Deve ter-se estima por qualquer certeza, ainda que não seja aquela certeza matemática evindentíssima.

Que tenham existido Napoleão, César, Carlos Magno, não é certo como 2+2 = 4, mas é certo como uma certeza humana, histórica. Do mesmo modo é certo ter existido Cristo, que os apóstolos o tenham visto morto e depois ressuscitado.

Segunda: Ao homem é necessário o sentido do mistério. De nada nós sabemos tudo, dizia Pascal. Sei muitas coisas a meu respeito, mas não tudo; não sei, precisamente, o que é a minha vida, a minha inteligência, o grau da minha saúde, etc; como posso pretender compreender e saber tudo de Deus?

As objeções mais frequentes senti-las-ás a respeito da igreja. Talvez te possa ajudar uma anedota referida por Pitigrilli. Em Londres, no Hyde Park, um pregador fala ao ar livre, mas é interrompido de vez em quando por um indivíduo mal penteado e sujo. – Há dois mil anos que existe a igreja – afirma a certa altura o indivíduo – e o mundo está ainda cheio de ladrões, de adultério, de assassinos! – Tens razão – respondeu o pregador – há dois milhões de séculos que há água no mundo, e vede em que estado está o vosso pescoço!

Por outras palavras: houve (e ainda há) maus papas, maus padres, maus católicos, (maus evangélicos, maus pastores, maus crentes, maus cristãos). Mas isto o que significa? Que foi aplicado o evangelho? Não; que pelo contrário, naqueles casos, o evangelho NÃO foi aplicado!

Meu Pinóquio, acerca dos jovens existem duas frases famosas. Recomendo-te a primeira, de Lacordaire: “Tenha uma opinão e a faça valer!” A segunda é de Clemenceau e não te recomendo de modo nenhum: “Não tenha idéias, mas defenda-as com ardor!”

Posso voltar a David Copperfield? A recordação de Miss Shepherd está longe dele há já alguns anos, e ele, já com 17 anos, enamora-se de novo; desta vez, adora a senhorita Larkins. Sente-se feliz ainda que só lhe possa fazer uma reverência durante o dia. Não sente conforto se não vestir as melhores roupas, ou se não andar com os sapatos lustrados. Sonha: “Oh, se amanhã pela manhã o pai Larkins chegasse e me dissesse: A minha filha disse-me tudo. Aqui estão vinte mil libras. Sede felizes!” Sonha com a sua tia que se enternece e bendiz o seu casamento. Mas enquanto ele sonha, a Larkins desposa um cultivador de lúpulo.

Lá ficou David, destroçado durante duas semanas; tira o anel, veste as piores roupas, não usa mais o gel, não engraxa mais os sapatos!

Mais tarde é o relâmpago de entusiasmo com Dora: “Era um ser sobre-humano para mim. Era uma fada, uma sílfide… não sei o que era… tudo aquilo que ninguém jamais viu… fui engolido num abismo de amor num instante apenas.. precipitado, de mergulho,  antes de ter conseguido dizer uma palavra!”

São situações transparentes; através delas, entrevêem-se os problemas do amor e do namoro, para os quais será também necessário que te prepares, caro Pinóquio.

Neste assunto, alguns propõem hoje uma moral largamente permissiva. Embora admitindo que no passado se foi demasiado rígido em certos pontos, os jovens não devem aceitar aquela permissividade; o seu amor deve ser com A maíusculo, belo como uma flor, precioso como uma pérola, e não vulgar como o fundo de um copo.

É oportuno que aceitem impor a si mesmos alguns sacrifícios, e manter-se afastados de pessoas, lugares e divertimentos que são ocasiões de mal para eles. “Não tendes confiança em mim!” dizes tu: “Sim, temos confiança, mas não é desconfiança recordar que todos estamos expostos a tentações; e é amor tirar do teu caminho pelo menos as tentações desnecessárias!

Olha os automobilistas: encontram o guarda, o semáforo, os traços contínuos, o sentido proibido, a interdição de estacionar, tudo coisas que parecem, à primeira vista, aborrecimentos e limitações contra o automobilista; e, pelo contrário, são a favor do automobilista, porque o ajudam a guiar com mais segurança e prazer!”

E se um dia tiveres uma namorada – seja ela Shepherd, Larkins ou Dora – respeita-a! Defende-a contra ti mesmo! Pretendes que ela se guarde intacta para ti? É justo, mas tu faz outro tanto por ela e não ligues a certos amigos, que contam as suas “proezas”, envaidecendo-se e acreditando que são “brilhantes” pelas suas aventuras com mulheres. “Brilhante” e forte é o homem que sabe conquistar-se a si mesmo e se insere na fileira dos jovens, que são a aristocracia das almas. Enquanto se é namorado, o amor deve procurar, não tanto o prazer sensual, quanto a alegria espiritual e sensível, porque manifestada de forma afetuosa, sim,  mas correta e digna.

Conselhos paralelos são dirigidos à outra parte, suposto que ela saiba suportar “prédicas”.

“Cara Dora (ou senhorita Larkins, ou Sheperd) – diz-lhe sua mãe- deixa-me recordar-te uma lei biológica. As moças, habitualmente, têm no que diz respeito ao sexo, maior domínio sobre si relativamente aos rapazes (hoje em dia não sei mais se isso se aplica…). Se o homem é fisicamente mais forte, a mulher é espiritualmente: parece até que Deus tenha decidido fazer depender a bondade dos homens da bondade das mulheres; amanhã dependerão um pouco de ti a alma do marido  e dos filhos; hoje a dos teus amigos e do teu namorado. Deves portanto ter bom senso por dois e saber, em certas coisas, dizer não, ainda que tudo pareça convidar a dizer sim. O próprio namorado, se for bom, nos seus melhores momentos, ser-lhe-á grato e dirá a si mesmo: “A minha Dora tinha razão: ela tem uma consciência e obedece-lhe; amanhã ser-me-á fiel!” Uma namorada muito fácil, pelo contrário, não dá a mesma garantia, e corre o risco de lançar, desde já, com uma concordância demasiado despreocupada, sementes perigosas, de onde nascerão no futuro ciúmes  e suspeitas por parte do marido” (e a recíproca é verdadeira em relação aos homens “fáceis”…).

Aqui concluo, Pinóquio, mas não me digas agora que não era ocasião de falar de Dora. Quando criança, tivestes a Fada, primeiro como irmã e depois mãe. Adolescente e jovem, uma Fada ao teu lado, não pode ser senão uma namorada e uma esposa.

A não ser que te fizesses frade!

Mas não vejo em ti tal vocação!

Albino Luciani – junho de 1972, texto original publicado no livro “Ilustríssimos amigos”. (e aqui, aparecendo com adaptações “modernas”)

Anúncios

O último Papa – Livro

outubro 29, 2008

Trechos do livro “O último Papa”, de Luís Miguel Rocha, atribuídos ao falecido Papa João Paulo I (Albino Luciani):

“Para espalhar os ensinamentos de Jesus Cristo, Nosso Senhor, é incoerente mantermo-nos sob uma fachada obscura que nos nubla o espírito perante os outros. É incoerente espalharmos a nossa palavra como se fosse a Sua, enegrecendo uma doutrina que se quer aberta aos outros, para que, através da fé, Jesus Cristo comungue conosco verdadeiramente.”

“A solução depende de nós que no seio da Igreja vimos referenciando dogmas antigos que nem mesmo serei capaz de atribuir ao Criador. Ao longo de séculos muitos homens se sentaram na cadeira de Pedro. O império e o tesouro amealhados ao longo de todo esse tempo é incalculável. Atrevo-me a dizer que somos o Estado mais rico do mundo. Como pode isso ser se a nossa obrigação é para com todos os fiéis? O nosso dever de ajudar o próximo tornou-se seletivo e estratégico? Todo este legado vem sendo gerido como uma grande empresa? Estamos a falar do legado de Jesus Cristo a Pedro, o Pescador, e que posteriormente atravessou a história até chegar a mim.”

“Mas na dificuldade dos tempos modernos há uma fórmula que nos guia sempre ao encontro do bem e do amor, ao caminho Dele, que é nosso desejo trilhar ininterruptamente e não o temos feito, alegando fazê-lo: O que faria Jesus Cristo? Esta questão tão simples responde a todas as perguntas. O que faria Jesus Cristo?”

Deixo claro que o livro é uma obra de ficção, um romance, onde o autor atribui as frases citadas acima, a João Paulo I. Sejam ou não de autoria de Albino Luciani, elas não deixam de ser verdadeiras.

Se a “igreja” cristã, do primeiro século até hoje, tivesse se feito essa pergunta: “O que faria Jesus Cristo?”, antes de qualquer coisa, muitos erros teriam sido evitados.

Mas… Jesus muitas vezes fica esquecido…


Cristãos e pedras

outubro 28, 2008

“Eu estava sentado um dia à margem de um rio. Peguei na água uma pedra redonda e parti-a. Por dentro, estava perfeitamente seca. Aquela pedra se encontrava na água há muito tempo, mas a água nunca a penetrara. Pensei então que a mesma coisa acontecia aos homens na Europa. Há séculos que estão cercados pelo cristianismo, mas o cristianismo nunca os penetrou, não vive dentro deles.”

Sadhu Singh

Infelizmente isso não acontece apenas na Europa…

Somos cristãos ou somos pedras?


Confissões – Agostinho de Hipona

outubro 28, 2008

“Senhor, Deus da verdade, acaso, para Te agradar, basta ter conhecimento? Infeliz do homem que, tendo conhecimento de todas as coisas, Te ignora; mas feliz de quem Te conhece, mesmo que ignore todas as demais coisas. Quanto ao que é cheio de conhecimento e ainda também Te conhece, não é mais feliz por causa de sua ciência, mas só é feliz por Ti, se, conhecendo-Te, Te glorificar como Deus, e Te der graças, e não se desvanecer em seus pensamentos.”

Agostinho de Hipona, Confissões

Sobre Agostinho, que a igreja católica tornou “santo” Agostinho, mas eu simplesmente me recuso a citá-lo com esse título de “santo”, leia mais aqui:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Hipona

E aqui:

http://hojeteologia.blogspot.com/2008/10/agostinho-de-hipona-sec-iv-v.html


Fé raciocinada

outubro 25, 2008

Disseram-me que para ter fé é preciso abrir mão da inteligência e simplesmente não concordo e nunca vou concordar, pois entendo que crer é um ato pensado (ou pelo menos deveria ser).

Para ter fé não creio que eu deva me desconectar do meu intelecto até o ponto de entrar em transe ou simplesmente abrir mão de qualquer conhecimento que exista no mundo seja ele filosófico, teológico ou proveniente de uma ciência exata qualquer.

Fé é a busca da racionalidade entre coisas que não se vê, mas são conscientes e ponderáveis bem diferentes da loucura, emoção e comoção. E até mesmo alienação.

Mas quem prega a não-inteligência da cristandade prega também as loucuras em nome de Deus e o achismo como revelação espiritual.

Nisso ocasiona-se a morte espiritual de toda uma nação e a fé idiotizante impera. E com isso muitos se protegem da ciência pregando a desinformação como arma apologética.

Mistificamos a ciência e tentamos dar a fé ares de pseudociência para nos sentirmos protegidos de toda linha cientifica, que segundo as “vítimas cristãs” contradiz a bíblia.
Adotamos o criacionismo científico que fugiu da ciência faz tempo e abraçou a especulação sem ter vergonha de cair no ridículo.
Parece que muitos pregam a “ciênciofobia” enquanto do outro lado da moeda existe a “religiofobia”.
Onde foram parar os dinossauros? A ciência explica com clareza e razão, enquanto os que declaram viver por fé tomam duas posturas distintas; ignoram o fato ou mistificam o fato para que ele encaixe apertadinho em sua fé.
Entre estudos apologéticos acalorados e sem razão e frases crentes decoradas o mundo sofre e o homem continua confuso em sua fé e sem ter razão e conhecimento de si e do mundo que o cerca.

Eu não quero defender o “ateísmo-religiofobista” e claro eu não defendo a ciência como algo primordial na vida, mas sim necessário.

E também não posso dizer que um ateu é todo razão e é superior a qualquer crente e que a ciência tem todas as respostas, assim eu cairia em um fundamentalismo cético que me emputece.
Dá para crer e pensar considerando tudo e indo a todas as fontes de pensamento e ciência sem precisar ter medo de algo.

É um pouco engraçado ver gente torcendo o nariz para a ciência enquanto não abre mão da sua TV de Plasma, Aspirina e outras comodidades que os cientistas trouxeram para o nosso dia-a-dia.
Nunca vi a razão (ciência) querer ou se colocar para acabar com a fé de alguém. A razão quebra o dogmatismo, atraso, superstição e intolerância e isso deveriamos tomar para nós não como ato de descoberta científica e sim como prática cristã diária.
Fonte: http://www.cartesianofinito.blogspot.com/

A World Alone – Saviour Machine

outubro 24, 2008

A World Alone – Saviour Machine

Love leaves the soul
Blood feed the man who stands
Alone in the grasp of the hands
That fornicate the land
That emulate the past
To infiltrate a man to tear his brother’s flesh
Then drink his blood as we confess
Unto the crimes, we lay at rest
We lay at rest

Rest upon the hand, rest upon the fortress
Hold me in your arms, hold on to the dreams
And the cry to wipe away the tears

In a world that takes away the seeds
And takes away another
To fill its evil needs
In a world that takes away the dreams
When dreams deceive a man, insanity proceeds
In a world that’s drowning in its lies
Which persecute his brother
For the color of his eyes
In a world that radiates the skies
Intoxicates the oceans
So watch it as it dies, Alone

No one is home, now one will answer the call
The cry, hear the cry
Comprehend the nature of your soul

The horrors of a child that slips into the night
Surrenders to the fight to find his senses won’t reply
Unto the evidence he finds along the way
He dies along the way

My world has no more meaning
I’ve not much more to take
Hold me in your arms, hold on to the dream
And the cry to wipe away the tears

In a world that takes away the seeds
And takes away another
To fill its evil needs
In a world that takes away the dreams
When dreams deceive a man, insanity proceeds
In a world that’s drowning in its lies
Which persecute his brother
For the color of his eyes
In a world that radiates the skies
Intoxicates the oceans
So watch it as it dies, Alone.

http://www.youtube.com/watch?v=dOHGEv6WMFc&feature=related


Aqualung – Jethro Tull

outubro 18, 2008

Aqualung
(Jethro Tull)

Sitting on a park bench —
eyeing little girls with bad intent.
Snot running down his nose —
greasy fingers smearing shabby clothes.
Drying in the cold sun —
Watching as the frilly panties run.
Feeling like a dead duck —
spitting out pieces of his broken luck.

Sun streaking cold —
an old man wandering lonely.
Taking time
the only way he knows.
Leg hurting bad,
as he bends to pick a dog-end —
he goes down to the bog
and warms his feet.

Feeling alone —
the army’s up the rode
salvation a la mode and
a cup of tea.
Aqualung my friend —
don’t start away uneasy
you poor old sod, you see, it’s only me.
Do you still remember
December’s foggy freeze —
when the ice that
clings on to your beard is
screaming agony.
And you snatch your rattling last breaths
with deep-sea-diver sounds,
and the flowers bloom like
madness in the spring.

http://www.youtube.com/watch?v=uF0WdIbt0-s

Chocante? É o seu próximo… acorda!