Carta aberta a Roberto Alvim

janeiro 21, 2020

Assisti uns vídeos disponíveis na Internet onde você fala sobre sua conversão, cura de uma grave doença, e suposta rejeição na cena teatral por se declarar cristão e apoiador de Bolsonaro. Assisti também sua vergonhosa encenação de Joseph Goebbels. Sua encenação, ao contrário do que diz, não foi coincidência coisa nenhuma, foi planejada nos mínimos detalhes, então tome vergonha na cara e assuma isso, como homem. Também ouvi e li seus comentários subsequentes sobre concordar com o que disse Joseph Goebbels sobre a cultura.

Amigo, se você concorda com o pensamento de um expoente do Nazismo, você pensa como um nazista. Ou seja, não tem nada de cristão. Acorda!

Lamento muito que seus primeiros passos na fé cristã tenham sido dados na companhia de um charlatão como Olavo de Carvalho, este mesmo que lhe chamou de trouxa, após sua breve e vergonhosa estadia como Secretário da Cultura. Abandonar os seus na beira da estrada como fez este seu suposto guru, também não é atitude de cristão. Deus jamais abandona os seus e é o exemplo dEle que o louco da Virgínia devia seguir.

Você foi parar no colo de Olavo de Carvalho e seu bando de seguidores adoecidos, num momento muito sensível da sua vida, num limbo entre sair do ateísmo e se descobrir teísta de um dia para o outro. Sei muito bem como é isso, pois passei pela mesma experiência. Mas ao contrário de você, pessoas amorosas e verdadeiramente cristãs estiveram por perto, e não picaretas metidos a gurus como no seu caso. Lamento muito você ter caído nessa armadilha. Foi pessimamente influenciado, e deu ouvidos a profetadas sobre um suposto papel grandioso seu, como naquele vídeo na Bola de Neve, mesmo sendo ainda um neófito na fé e com muito a aprender.

Então, se você caiu da forma como caiu, foi por sua própria culpa, e não por culpa de um ser do mal como disse desconfiar. Assuma a responsabilidade pela grande merda que você fez. Repito: o único culpado é você mesmo. Caiu no canto da sereia do ufanismo gosṕel e se deu mal. Se juntou a fanáticos sem escrúpulos e se deu mal. Simples assim. Já vi esse filme mais de uma vez.

Espero que o episódio mostre a você que antes de querer curar a cultura ou um país, você precisa curar a si mesmo. E pelo que vi, está muito longe de ser curado. Deixe de pensar apenas em agradar seus pares, como está acostumado a fazer desde quando era ateu e agora também como cristão. Comece a pensar com sua própria cabeça. Cresça, pare de beber leite estragado do Olavo de Carvalho, e vá procurar comida saudável, em vez de se juntar com esse bando de fanáticos picaretas e se tornar mais um deles. Fanáticos são insuportáveis e ninguém enxerga a luz ou o amor do Pai por meio deles. Não é a toa que ninguém mais leva você a sério, pois se tornou um bitolado doente que ninguém gosta de ter por perto. Se pudesse, forçaria os outros a virarem cristãos, quando você mesmo não foi forçado a nada. Não hesitaria em forçar as pessoas a aceitarem sua ideia tosca de cultura (a mesma ideia defendida por Goebbels, o nazista).  É a sua visão ou nada, como você afirmou, não é? Se enxergue, veja o papel ridículo que está fazendo, quando podia ter aproveitado o relacionamento com Deus de formas muitos melhores. Dá tempo ainda. Mas a escolha é sua.

E por último, você se disse perseguido no meio teatral por conta da sua mudança com relação à fé. E o que fez quando recebeu uma oportunidade de mostrar seu trabalho? Encenou uma apresentação nazista pavorosa, como se não fosse nada demais, e envergonhou o país mundialmente. Nisso que dá acreditar em falsos profetas que são treinados para falar o que as pessoas querem ouvir. Aprenda para a próxima.


Continue batendo, Porta dos Fundos

dezembro 21, 2019

Sobre o “especial” de Natal do Porta dos Fundos, direi apenas o seguinte: ao longo da história do Cristianismo, muitas foram as pessoas, antes perseguidoras e até assassinas de cristãos, a se tornarem depois seguidoras de Cristo. Algumas delas, se tornaram mártires.

Sendo assim, continuem batendo na porta, mesmo que seja a dos fundos, e um dia ela se abrirá, e vocês conhecerão não esse Cristo ou essa igreja dos seus estereótipos e clichês, e sim o verdadeiro Cristo e sua igreja verdadeira. Enquanto isso, prossigam com suas piadas e chacotas. Alguém que foi torturado até a morte, não liga para isso, e nem para filminhos que vocês consideram humorísticos, mas são apenas chacota infantil.

Eu, falando como alguém que já fez o mesmo, e depois se tornou mais uma discípula do Mestre, espero por vocês.

“Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta.
Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Lucas 11:9,10

Sobre a fé

março 4, 2019

Acabei de ler Dynamics of Faith, de Paul Tillich. Nele, o autor discorre sobre o que é fé, quais seus tipos e sua dinâmica.

Paul Tillich explica que nosso relacionamento com o sagrado, quando não embasado realmente em Deus, pode gerar uma fé idólatra, com consequências demoníacas e destrutivas. Segundo ele, quando alguém embasa sua fé em uma fonte de idolatria, qualquer falha pode fazer com que a pessoa perca o centro sobre o qual embasou toda a sua vida. Isso acontece quando colocamos como centro da nossa fé, uma figura de autoridade, uma nação, um livro, um conjunto de doutrinas. Muitos definem a fé como crença sem evidência, mas nada está mais longe da verdadeira fé do que isso. A fé entendida como crença sem evidência, entra em conflito com a razão, pois muitas vezes a razão vai contra as interpretações literais que o fiel faz sobre mitos e símbolos da sua religião. Acontece com o cristianismo, quando a história da criação contida no livro de Gênesis é levada ao pé da letra. O conflito com a razão é inevitável.

Já a fé verdadeira, coloca Deus em seu centro, e a partir dEle, constrói todo o resto. A fé verdadeira não se opõe à razão, pois estão em dimensões diferentes, e o conflito entre ambas não existe. A fé verdadeira usa mitos, símbolos, rituais e sacramentos como forma de expressão de uma realidade transcendente, e não interpreta símbolos e mitos como se fossem verdades literais.

A fé idólatra é destrutiva, entra em conflito com a razão e com a ciência. A fé quando entendida como crença sem evidência, não admite a dúvida. A fé idólatra gera fanatismo, e o fanático não consegue amar o que vai contra a sua crença. A fé como um conjunto de doutrinas aceitas e defendidas apaixonadamente, não consegue produzir atos de amor. Os mais terríveis crimes contra o amor foram cometidos em nome de doutrinas defendidas fanaticamente. A fé idólatra é necessariamente fanática. A fonte da idolatria é também a fonte da intolerância.

A fé verdadeira é criativa e não tenta ocupar o espaço da razão nem o da ciência. A dúvida é um elemento da sua estrutura, assim como a coragem e o risco. A verdadeira fé é um ato pessoal, individual. Implica no amor, como desejo de reunir os que estão separados dela. Seus rituais e sacramentos não são supersticiosos, mas apenas meios de expressão e de relacionamento com o Ser supremo.

Quando os rituais e sacramentos são distorcidos e vistos como realidades mágicas pela fé idólatra, isso afasta as pessoas, e elas passam a adotar sistemas morais sem religião. Se um mito é interpretado literalmente pela fé idólatra, a filosofia, a razão e a ciência o rejeitam como absurdo. Quando histórias sagradas deixam de ser vistas como mitos, o mito se transforma em filosofia da religião, e finalmente, em filosofia sem religião.

A expressão do amor gerado pela verdadeira fé, é a ação. O elo de ligação entre a fé e a ação é o amor. O tipo de fé determina o tipo de amor e o tipo de ação. A idolatria é incapaz de gerar ação baseada no amor, pois o idólatra não consegue amar o próximo como ama a si mesmo e como ama as doutrinas da sua religião.

Muitas igrejas protestantes, ao tentar eliminar a superstição do culto, destruíram também o ritual e eliminaram a experiência do sagrado, deixando espaço apenas para a fé idólatra, sem amor e sem ação. Nota-se muito disso no Brasil, onde a pessoa se diz crente mas não há nenhum sinal disso na sua vida. Não há indício de preocupação com o próximo nem de transformação de caráter. O crente médio é um repetidor de chavões e de comportamentos impostos por um líder que se diz pastor, mas não é.  O pastor se torna um condicionador de comportamento em vez de ser alguém que instiga o fiel a buscar ser parecido com Cristo.

Deus nos livre de nos tornarmos idólatras, ou adeptos de uma filosofia sem religião, distante do sagrado e vazia. Deus nos livre de preferir o condicionamento a regras de comportamento e chavões, em vez de deixar o Espírito dEle nos moldar.


Sério, André Valadão?

outubro 20, 2018

andrevaladao

Vamos conversar então sobre quando os cristãos eram minoria no império Romano?

Vamos conversar sobre como Jesus e seus discípulos eram minoria e como a maioria foi quem decidiu a morte de Jesus, incentivada pelos falsos pastores da época?

Não me admira isso vindo da sua triste figura, uma vergonha para o Evangelho.

Cada vez me sinto mais feliz por estar bem distante desse mundo “gospel” e seus lobos travestidos de pastores com discursos que nem de longe espelham Cristo.


Mais ortodoxia

janeiro 1, 2018

Nesses dez anos desde que passei a me considerar cristã, gastei um bom tempo flertando como todo tipo de teologia considerada “não ortodoxa”. Não sei dizer se fiz isso por vontade de investigar a fundo a religião onde estava ingressando, ou por mera dificuldade em aceitar a fé como ela vem sendo explicada desde o princípio. Talvez fosse um pouco das duas coisas.

Não pretendo aqui entrar no mérito das teologias e doutrinas diferentes que vi por aí. Mas é possível ter uma ideia lendo coisas antigas aqui do blog. Posso apenas afirmar que depois de tanta viagem, encontrei, como Chesterton, o bom e velho cristianismo de 2000 anos. Os modismos passam, as teologias mudam, os teólogos morrem e com eles boa parte das suas ideias, desaparecem. Muitas delas sequer deixam vestígios. Muitos dos que eram recentemente bastante ativos, deixaram de ser relevantes e incensados, e foram rapidamente esquecidos. A boa e velha nova do evangelho é a que permanece.

Hoje prefiro me aprofundar na história do cristianismo e deixar de lado esse tipo de debate sobre Deus ser onisciente ou não, saber o futuro ou não e coisas do tipo. Na história do cristianismo acabamos percebendo não haver mesmo nada novo sob o sol. Tudo já foi debatido antes. Deixei de lado também muitos dos teólogos pós-modernos, pois em algum momento percebi serem mais filósofos do que teólogos. Em outro momento, percebi também que muitos deles não são pensadores da religião, e sim pessoas contaminadas por ideologias alheias ao cristianismo. Tentam a todo custo fazer com que a teologia se conforme à ideologia, quando devia ser o contrário. Deus está acima da guerra ideológica, e por isso não os levo mais a sério de forma alguma. Bons tempos onde os teólogos sabiam ser Deus o início e o fim de todas as coisas e partiam deste princípio. Muitos deles consideram a si mesmos como o início e o fim de tudo.  São loucos, e não teólogos.

Hoje prefiro o mistério e não saber todas as respostas. Prefiro o bom e velho credo dos apóstolos e o Pai Nosso. Porque é o que fica quando todos os modismos passam. O cristianismo continua, já morreu e ressuscitou muitas vezes e continuará fazendo isso, pois o morrer e o ressuscitar fazem parte dele desde o início.

Todos nós desejamos o progresso, mas se você está na estrada errada, progresso significa fazer o retorno e voltar para a estrada certa; nesse caso, o homem que volta atrás primeiro, é o mais progressista. C. S. Lewis.


O bom e velho Chesterton

setembro 17, 2017

Do livro “Ortodoxia“, de G. K. Chesterton, escrito em 1908.

[…]O cristianismo era atacado de todos os lados e por todas as razões contraditórias. Mal um racionalista acabara de demonstrar que ele pendia demais para o oriente, outro demonstrava com igual clareza que ele pendia demais para o ocidente. Mal a minha indignação se arrefecia diante de sua configuração quadrada angular e agressiva, minha atenção era novamente chamada para observar e condenar sua irritante natureza redonda e sensual.[…]

[…]Não parecia tanto que o cristianismo era suficientemente perverso a ponto de incluir qualquer vício, mas sim que qualquer pau era bom para bater nele. Como seria essa coisa assombrosa que as pessoas queriam tanto contradizer, a ponto de fazê-lo sem importar-se em contradizer a si mesmas?[…]

[…] Subestimam o cristianismo os que dizem que ele descobriu a misericórdia; qualquer um poderia descobrir a misericórdia. De fato todo mundo o fez. Mas descobrir o plano para ser misericordioso e também severo – isso foi antecipar uma estranha necessidade da natureza humana. Pois ninguém quer ser perdoado por um pecado grande como se fosse um pecado pequeno.

Qualquer um poderia dizer que não deveríamos ser totalmente infelizes, nem totalmente felizes. Mas descobrir até que ponto alguém pode ser totalmente infeliz sem eliminar a possibilidade de ser totalmente feliz – isso foi uma descoberta na psicologia. Qualquer um poderia dizer: “Nem pavonear-se, nem rastejar”, e seria um limite. Mas dizer: “aqui você pode pavonear-se e ali pode rastejar” – isso foi uma emancipação.[…]

[…] O que o pastor cristão conduzia não era um rebanho de ovelhas, mas sim uma manada de touros e tigres, de terríveis ideais e vorazes doutrinas, cada uma delas forte o suficiente para transformar-se numa falsa religião e devastar o mundo.[…]

[…] Essa é a emocionante aventura da ortodoxia. As pessoas adquiriram o tolo costume de falar de ortodoxia como algo pesado, enfadonho e seguro. Nunca houve nada tão perigoso ou tão estimulante quanto a ortodoxia. Ela foi a sensatez, e ser sensato é mais dramático que ser louco. Ela foi o equilíbrio de um homem por trás de cavalos em louca disparada, parecendo abaixar-se para este lado, depois para aquele, mas em cada atitude mantendo a graça de uma escultura e a precisão da aritmética.[…]

[…] É fácil ser louco; é fácil ser herege. É sempre fácil deixar que cada época tenha a sua cabeça; o difícil é não perder a própria cabeça. É sempre fácil ser um modernista; assim como é fácil ser um snob. Cair em qualquer uma das ciladas explícitas de erro e exagero que um modismo depois de outro e uma seita depois de outra espalharam ao longo da trilha histórica do cristianismo – isso teria sido de fato simples.

É sempre simples cair; há um número infinito de ângulos para levar alguém à queda; e apenas um para mantê-lo de pé. Cair em qualquer um dos modismos, do agnosticismo à Ciência Cristã, teria de fato sido óbvio e sem graça. Mas evitá-los a todos tem sido uma estonteante aventura; e na minha visão a carruagem celestial voa esfuziante atravessando as épocas. Enquanto as monótonas heresias estão esparramadas e prostradas, a furiosa verdade cambaleia, mas segue de pé.


Ímpio

outubro 5, 2016

livro-o-impioAcabei de ler um livro que fazia muito tempo estava parado aqui. Trata-se de “Ímpio, o evangelho de um ateu”, de Fábio Marton.

Minha primeira observação é saber porque um ateu dá nome de “evangelho” a um livro. Evangelho significa “boas novas”, e o livro do Fábio Marton, está longe de ser parecido com uma boa nova. É apenas mais um livro de um ateu, um ex-crente, criticando os crentes e as igrejas das quais fez parte ao longo da vida, e tentando ganhar dinheiro com a história. A diferença deste para outros que já li, é que o Fábio satiriza mas ao mesmo tempo demonstra certo afeto por aquelas pessoas todas que aparecem no livro.

No texto, o autor critica os crentes e detalha a sua vida desde criança no meio evangélico, começando numa igreja em Osasco e depois vindo morar em Curitiba, nos piores bairros possíveis. E uma vida repleta de dramas e tragédias pessoais. Era nerd, solitário, obeso e sofria bullying na escola, e a oração dele mais frequente, segundo ele mesmo, era pedindo a Deus uma namorada e um amigo. Sua mãe morre num acidente de carro; o irmão fica paraplégico nesse mesmo acidente; o pai, pula de fracasso em fracasso, de um relacionamento para outro e de igreja em igreja. Fábio passa a morar de favor com parentes depois da morte da mãe, numa cidade que também não era a sua, e da qual ele nitidamente não gostava.

O autor foi transformado num pequeno fanático religioso, tipo Nietzsche, que como ele também havia sido uma espécie de pregador-mirim. Virava alvo na escola por ser crente, nerd e obeso. O grau de fanatismo dele era tão grande, que chegou a entrar numa “disputa” mental com uma macumbeira quando tinha sete anos. Acreditou ter ganho um dente de ouro de Jesus. Acreditou ter sido escolhido por Deus para uma revelação: o mundo ia acabar numa certa noite. Obviamente a noite passou e o mundo continuou onde estava. Mais adiante no livro, ele conta como pediu a Deus para ressuscitar sua mãe quanto esta morreu. Para mim parece óbvio que isso ia acabar em grande decepção, como de fato acabou. Afinal, Deus tem culpa da visão deturpada que o autor tinha a respeito de quem ou como Ele é ou devia ser? Que culpa Ele tem de não ser aquela lâmpada mágica pronta a resolver todos os problemas, desde que seja bem esfregada com muita oração,  como é pintado em muitas igrejas? O próprio autor disse em uma entrevista a respeito do livro, que quando era crente, acreditava que as coisas deviam cair prontas do céu. Expectativas erradas, baseadas em péssima teologia e abusos por parte de igrejas totalmente sem noção, geraram o Fábio Marton e o seu livro.