Escadaria para o céu

janeiro 4, 2016

Um episódio da série Grey’s Anatomy, quinta temporada, apresenta uma situação complexa, envolvendo compaixão, ética médica, crime e punição. Um serial killer, condenado à morte pelo assassinato de cinco mulheres, dá entrada no hospital, com um problema que demandava neurocirurgia. Faltam poucos dias para a sentença dele ser executada, ou seja, a dias de ser morto pelo Estado pelos crimes que cometeu, ele tem um problema de saúde que pode matá-lo. Sabendo que o prognóstico pode ser fatal, o prisioneiro hospitalizado se recusa a fazer a cirurgia indicada pelo neurocirurgião. O assassino prefere que seu estado piore, para morrer no hospital em vez de ser executado. O neurocirurgião, cujo pai foi assassinado muitos anos atrás, insiste no tratamento cirúrgico, e deixa claro: não pretende permitir que o paciente morra ali, confortavelmente assistido, e escape da execução na cadeia. Não dá para saber se o cirurgião está mais preocupado em salvar a vida do paciente, ou quer deixá-lo vivo para que volte à prisão e seja executado, castigo considerado justo por ele.

Ao mesmo tempo, no mesmo hospital, um menino está em situação crítica, precisando de transplante de fígado e intestino. O criminoso e o menino se conhecem num corredor do hospital, e o menino explica ao prisioneiro porque está internado. O criminoso pergunta a ele se não gostaria de ficar com seus órgãos. O menino e o criminoso se empolgam com a ideia, e o assassino tem mais um motivo para não querer receber tratamento: doar os órgãos. Os médicos acabam intervindo, explicando que não era tão simples assim, que para o transplante ser feito o doador e o receptor precisavam ser compatíveis. A equipe do hospital continua buscando um doador para salvar a vida do menino, e o criminoso continua se recusando a ser operado.

Uma médica residente se compadece da história do criminoso, o qual afirma querer ajudar o menino. Faz os testes e descobre que o criminoso e o menino são compatíveis. E indiretamente, dá ao serial killer uma dica de como ele mesmo poderia acelerar o processo, e fazer sua doença evoluir até levar à morte cerebral. O prisioneiro entende o recado, e provoca uma hemorragia, batendo a cabeça na cabeceira da cama. Seu estado piora de forma progressiva durante a noite, e a residente, de plantão no hospital, deixa o caso se agravar. Ela tenta ajudar o paciente a morrer, nas palavras dela, “ter uma boa noite”.

Nesse meio tempo, o hospital consegue os órgãos para o menino, que vai para a cirurgia. Mas algo dá errado, e o corpo dele reage contra os órgãos, que são retirados novamente. O tempo está se esgotando, e a equipe precisa encontrar outros doadores compatíveis. A situação é desesperadora. O chefe da cirurgia descobre outro paciente compatível com o menino, que está ali mesmo no hospital, já com morte encefálica, mas a familiar do paciente se recusa a permitir a doação. O criminoso perde a consciência e o neurocirurgião faz a cirurgia, contra a vontade do homicida. Durante a cirurgia, a médica do menino, tendo conhecimento de que o malfeitor é compatível e pode doar os órgãos, entra na sala cirúrgica e pede ao cirurgião que deixe o serial killer morrer, para salvar o seu próprio paciente. Eles discutem. A situação fica em suspenso.

O menino segue piorando, enquanto o chefe da cirurgia prossegue na tentativa de convencer a familiar do outro paciente, a doar os órgãos. O prisioneiro corre risco de morte, e o cirurgião deixa a vida dele nas mãos da médica, mas ela, arrependida do pedido anterior, pede que ele termine a cirurgia e salve o bandido. Ela volta ao leito do menino, então já à beira da morte, e autoriza a presença da mãe dele, para se despedir. Enquanto esta despedida ocorre, o chefe da cirurgia aparece no quarto. Havia conseguido os órgãos. O menino tem uma parada cardíaca e quase morre antes de receber o segundo transplante.

Mesmo sendo uma história de ficção, não escapamos do fato de que somos todos humanos, e nossa humanidade interfere nos nossos julgamentos, atitudes e decisões. O cirurgião estava apenas fazendo seu trabalho, ou visava impedir que o assassino burlasse o sistema, morrendo antes da própria execução? Não seria uma violação ética, esperar o paciente ficar inconsciente e proceder à cirurgia, contra a vontade do mesmo? Não seria contraditório, todo aquele dispêndio de recursos para salvar um paciente que não queria ser salvo? Por ser um assassino, o doente perdia o direito de decidir morrer no hospital, recusando o tratamento? A residente agiu certo ou errado, ao ensinar, ainda que de forma indireta, um jeito de o paciente precipitar a própria morte? Era a vontade dele, não era? No final ele acabaria morto de qualquer jeito. O assassino, caso morresse no hospital, salvaria outras vidas, doando seus órgãos. Com isso, outras pessoas viveriam por meio da sua morte. Uma tentativa de redenção, talvez? Provável, mas seja como for, o desejo do serial killer não se realiza. No final, tudo acaba aparentemente “bem”: o menino sobrevive e o assassino termina executado. Na vida real aqui no Brasil, é mais fácil morrer esperando um transplante de fígado, do que ter dois doadores compatíveis ao alcance da mão, situação do menino no episódio.

Observação 1: Existe uma estimativa de que 4% dos condenados à morte nos EUA, são na verdade, inocentes. Traduzindo, uma em cada 25 pessoas condenadas à pena capital, não cometeu o crime. Por isso a pena de morte vem sendo abolida. O índice de pessoas inocentes executadas injustamente, seria ainda maior, se a execução fosse imediata. Como os presos ficam um bom tempo no que chamam “corredor da morte”, uma evidência nova ou reviravolta no caso, pode fazer com que a pena seja cancelada. Em alguns países onde este tipo de punição continua sendo aplicada, vale para, entre outros, casos de adultério, blasfêmia e “bruxaria”. Que tipo de prova se usa num processo que visa condenar alguém pelo crime de “bruxaria”? Países como China, Irã e Arábia Saudita são os que mais aplicam a pena capital.

Observação 2: Metade das pessoas que espera por um transplante de fígado no Brasil, morre na fila. Um único doador pode ajudar de uma até 25 pessoas com órgãos doados.

Anúncios