Reforma ou remendo?

Por acaso, hoje li por alto uma postagem num blog cujo título é: 13 motivos porque a igreja brasileira é uma das mais frágeis da história pós-reforma.

Eu nem preciso de 13 motivos. Um só basta. Para muitos pastores não interessa formar cristãos que se tornam maduros na fé. Os pastores são os primeiros a preferir pessoas viciadas em leite, intolerantes a alimento sólido. Preferem quem engatinha a vida toda em vez de ensinar as pessoas a andar sobre as próprias pernas. Eles mesmos são culpados de formar gerações e mais gerações de crentes rasos, e se espantam com a fragilidade da igreja. Eles mesmos continuam insistindo na fórmula de igreja focada em usos e costumes e em falso moralismo, quando a vida cristã vai muito além dessa lista de “podes” e “não podes”.

Se você busca ser cada dia mais parecido com Cristo, entende Cristo como uma pessoa, possuidora de uma consciência própria a se refletir nas atitudes externas de forma natural. Mas olhando em volta, até a honestidade da maioria dos crentes parece forçada, e não algo que emana da pessoa por ela ter escolhido ser parecida com Cristo. O crente diz ser errado matar outra pessoa, porque “não matar” é um mandamento, ou seja, não entendeu nada.

O foco do líder evangélico em geral, assim como era com os sacerdotes do antigo testamento, continua sendo o de impor aos membros da igreja, considerada por ele como um feudo seu, os seus “valores cristãos” de fora para dentro. Mas os verdadeiros valores cristãos nascem no interior e emanam na vida da pessoa, naturalmente. Isso acontece aos poucos e é um processo para a vida toda, nada parecido com o que vemos por aí, o chavão “agora sou crente e não posso mais fazer isso e aquilo”. Não houve mudança interior nesse caso.

O líder evangélico tem uma lanterna na mão, e pensa ser seu dever forçar a luz da lanterna a entrar nas pessoas por meio de regras, usos, costumes e proibições. Criam legiões de sepulcros caiados, com muita aparência mas sem essência. Por isso não entendo o espanto deles com o resultado. Ninguém colhe uvas onde plantou um espinheiro. Isso já foi dito antes, né?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: