Um Francisco nada santo

chatô o rei do brasilFrancisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, mais conhecido como Assis Chateaubriand, ao contrário do seu homônimo, Francisco de Assis, o fundador da Ordem dos Franciscanos, não tinha a menor vocação para santo. Isso fica evidente após a leitura da sua biografia, escrita por Fernando Morais: Chatô: o rei do Brasil. O filme de mesmo nome, produzido por Guilherme Fontes, não mostra nem a metade de quem foi este que é considerado o patrono da comunicação no Brasil. O livro não é leitura fácil, com suas mais de 700 páginas. Mas vale o esforço.

Nas páginas do livro, encontramos um sujeito que vive de acordo com sua própria ética, totalmente duvidosa. Que inventava notícias falsas, usava os jornais para ameaçar qualquer um que se atravessasse no seu caminho. Fabricava notícias e chantageava empresários, para obrigar as empresas a anunciar nos seus jornais. Publicou reportagens falsas sobre mortes causadas por medicamentos. Os medicamentos eram fabricados por uma indústria que Chateaubriand tentou comprar, mas não conseguiu. Diante da recusa do dono da empresa em vendê-la, nosso personagem apelou para este jogo sujo. Fez o mesmo para obrigar a Coca-cola a anunciar nos seus jornais e revistas, publicando análises sobre males à saúde causados pelo refrigerante. Assim que os anúncios da bebida começaram a ser publicados, as críticas cessaram. Chegou ao ponto de publicar uma notícia sobre o linchamento, na Itália, do cunhado de um grande empresário paulista, após a queda do ditador Mussolini, na qual até a família do suposto morto que estava aqui no Brasil, acreditou. Era época de guerra e as comunicações estavam prejudicadas. Meses depois, o suposto morto apareceu na porta do cunhado. A notícia não passava de uma mentira, redigida e publicada por ordem de Assis Chateaubriand. Ajudou Getúlio Vargas a chegar ao poder, e apoiava mais de um candidato ao mesmo tempo, para poder ganhar favores, independente de quem vencesse. Getúlio Vargas alterou uma lei apenas com o objetivo de beneficiar Chateaubriand, e o mesmo pudesse vencer a luta judicial pela guarda da filha. Chateaubriand dizia que se a lei estava contra ele, era preciso mudar a lei. Os primeiros aparelhos de televisão chegados ao Brasil, foram importados por ele, mas de forma ilegal, como contrabando.

Ao mesmo tempo em que colocava para trabalhar em seus jornais e revistas, figuras que se tornariam grandes nomes da literatura e da arte brasileira, Chateaubriand construiu seu império jornalístico a custa de muita, mas muita maracutaia. Lendo o livro, perde-se a conta de tantos episódios envolvendo chantagens, intriga, abuso do poder, desonestidade jornalística. Para ele, aparentemente tudo era permitido, se aumentasse as vendas dos seus jornais e revistas, a quantidade de anunciantes, o seu poder pessoal, ou a audiência. O que dizer do episódio onde um importador de máquinas de impressão, após vender as dívidas de Chateaubriand para Getúlio Vargas, foi castrado a tiros por um capanga de Chateaubriand? O que diriam os politicamente corretos de hoje, quando Chateaubriand impediu um padre de celebrar a missa num evento organizado por ele, pois o tal padre era negro? Afirmou que “missa rezada por padre preto vai nos trazer uma urucubaca sem tamanho”. Poucos sabem que Chateaubriand foi dono da fábrica de chocolates Lacta, de um banco, e da Schering, indústria farmacêutica alemã que foi tirada dos seus donos, por Getúlio Vargas. Esta, leiloada pelo governo, foi comprada pelo grupo encabeçado por Chateaubriand. Chateaubriand foi senador por duas vezes, sendo que na primeira, ele fez isso obrigando o senador e o suplente que estavam no cargo, a renunciar, abrindo uma eleição para preencher o cargo supostamente vago, onde só ele concorreu. Na segunda vez, perdeu a eleição e mesmo assim conseguiu a vaga por outro estado (Maranhão), de novo, com maracutaia. Isso você não lê em nenhuma biografia dele das que se encontra na Internet, muito menos nos livros de história do Brasil. No livro, fica claro como comprar ou falsificar votos, era prática corriqueira no país, supostamente uma democracia. Ou seja, o problema já vem desde a raiz.

Muitos acusaram Fernando Morais de focar mais no lado negativo do personagem. Se a vida de Chateaubriand foi assim, com um pé na canoa do bem e outro na canoa do mal, ou acendendo uma vela para Deus e outra para o diabo, a biografia tinha o dever de mostrar isso. Não há dúvidas a respeito da inteligência de Assis Chateaubriand, assim como também não há dúvidas de que ele se considerava acima da lei e acima do bem e do mal. Empreendedor, sim, mas também sem caráter. Inteligente, mas também corrupto. Visionário, mas igualmente preconceituoso. Pioneiro no uso da tecnologia, mas ao mesmo tempo, tendo um jagunço dentro de si. Patrono da comunicação no Brasil, e também o fundador de um modelo de imprensa onde a verdade ficava em último plano, e onde só ele tinha opinião. Hoje, com a Internet e o acesso à informação ocorrendo de forma instantânea, a vida dele seria bem mais difícil. As notícias falsas seriam desmascaradas quase imediatamente. Ele precisaria chantagear o mundo inteiro. Muitos artigos escritos por ele, usando nomes falsos, onde atacava de forma violenta os seus desafetos, hoje não seriam publicados em jornal nenhum. Hoje, qualquer pessoa com um celular e Internet, consegue enviar notícias em tempo real para qualquer lugar do mundo, sem precisar de jornal. Impérios da comunicação continuam existindo, mas a informação já não é mais monopólio de ninguém. Qualquer um com uma boa ideia na cabeça, pode escrever um livro e publicar na Amazon. Qualquer pessoa pode criar um blog, um podcast, um canal no Youtube. Se não existe imprensa realmente independente, estamos cada vez menos dependentes desta imprensa para saber o que acontece mundo afora. Assis Chateaubriand certamente ficaria louco, caso vivesse hoje, e tentasse dominar a indomável Internet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: