Eclesiastes

Melhor é a boa fama do que o melhor ungüento, e o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém. Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração. Melhor é a tristeza do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração. O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria. Melhor é ouvir a repreensão do sábio, do que ouvir alguém a canção do tolo. Porque qual o crepitar dos espinhos debaixo de uma panela, tal é o riso do tolo; também isto é vaidade. Verdadeiramente que a opressão faria endoidecer até ao sábio, e o suborno corrompe o coração. Melhor é o fim das coisas do que o princípio delas; melhor é o paciente de espírito do que o altivo de espírito. Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira repousa no íntimo dos tolos. Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta. Tão boa é a sabedoria como a herança, e dela tiram proveito os que veem o sol. Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor. Atenta para a obra de Deus; porque quem poderá endireitar o que ele fez torto? No dia da prosperidade goza do bem, mas no dia da adversidade considera; porque também Deus fez a este em oposição àquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele. Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade. Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco; por que morrerias fora de teu tempo? Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso. A sabedoria fortalece ao sábio, mais do que dez poderosos que haja na cidade. Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque. Tampouco apliques o teu coração a todas as palavras que se disserem, para que não venhas a ouvir o teu servo amaldiçoar-te. Porque o teu coração também já confessou que muitas vezes tu amaldiçoaste a outros. Tudo isto provei-o pela sabedoria; eu disse: Sabedoria adquirirei; mas ela ainda estava longe de mim.

Eclesiastes 7:1-23

Sempre que leio o livro de Eclesiastes, ao chegar nesse trecho, eu paro. Porque tem a ver com um episódio triste envolvendo minha família, um parente alcoólatra que pouco tempo depois, veio a falecer, vitimado pela cirrose. Durante anos, a família se empenhou para que ele procurasse tratamento. Anos e anos de conversas, de tentativas, de procurar ajudas de todos os tipos, alcoólicos anônimos, médicos, hospitais, internações, psiquiatras, tratamentos até em outros estados do país. Anos de discussões e brigas, onde pessoas chegavam às vias de fato, e se agrediam fisicamente, porque não suportavam as provocações maldosas que ele fazia. Embrigado e violento. Quantas vezes saímos de madrugada, debaixo de chuva, ou nas noites geladas de inverno, para procurar por ele, levá-lo para casa, levar em pronto socorro, com a cara toda arrebentada, por ter caído de cara no asfalto. Tinha vezes que vizinhos o traziam até o nosso portão, em outras, simplesmente nos avisavam: ele está caído em tal lugar. Quantas vezes presenciei os delírios pela falta do álcool, quando tentava parar, ou simplesmente não tinha dinheiro para comprar a bebida. Tinha alucinações, saia atrás de ladrões imaginários, de facão em punho. E cada vez esses delírios pioravam, chegando ao ponto de simplesmente ter convulsões e apagar, cair como morto no chão. O cérebro não funcionava mais sem álcool, ao mesmo tempo em que o fígado, já não o tolerava mais. Ele estava preso numa armadilha. Foi se degradando, se desconectando da realidade. E nós sem saber mais o que fazer, enquanto víamos que estava avançando a passos largos, em direção ao cemitério.

Foi num dia desses, com o alcoolismo em estado avançado, que, ao tentar chamar a atenção dele, depois de ter urinado pela casa, ele pegou uma bíblia e me mostrou, exatamente esse capítulo de Eclesiastes. O trecho que reproduzi acima, estava marcado com caneta. Eu li e fiquei sem saber o que dizer, pois na época, nem cristã era. Uns quinze dias depois, a cirrose arrebentou, e ele veio a falecer. Ele estava convencido de que tinha chegado num ponto, onde não tinha mais volta. Já tinha ficado torto de um jeito, que ninguém ia conseguir endireitar. Quem vai endireitar o que Deus fez torto?, ele disse.

O velório dele foi um dos mais tristes que presenciei na vida. Porque a família toda se sentia exatamente assim, como quem tinha perdido uma guerra contra o vício, um bando de derrotados, feridos, enterrando o morto.  Foi horrível ver os filhos dele, recém saídos da adolescência, abraçados e chorando desesperados, enquanto o caixão descia pra dentro do túmulo.

Minha avó, mãe dele, que já estava de cama fazia um tempo, não sabia que o estado dele era tão grave, quando foi levado ao hospital. Ela não sabia que ele estava vomitando sangue, e que os médicos tinham alertado que a morte dele era iminente. E ela, com  a maior calma do mundo, enquanto o coração dele ia parando na UTI, disse para a enfermeira que cuidava dela em casa, que tirasse o terno dele do armário, e verificasse se estava em ordem. Disse que ele tinha vindo se despedir dela, dizendo: “Tchau mãe, estou indo”. Ela não quis ir no funeral, nem no enterro. Foi categórica em dizer que já tinha se despedido dele, e não queria vê-lo morto. Compreensível.

Quando meus pais chegaram do hospital, com a notícia de que ele tinha falecido, e vieram buscar roupas para que a funerária preparasse o corpo, o terno já estava pronto, e a melhor camisa, já escolhida. Ela mesma tinha escolhido a camisa, e feito isso como quem escolhe a roupa com a qual um filho vai para uma festa.  E pensar que nós, que antes de chegar na casa dela, tínhamos nos reunido e conversado, para decidir quem ia dar a notícia a ela, e como isso seria feito.

Depois disso, aprendi que definitivamente, escolhas são pessoais. E existem escolhas que, dependendo de até onde se vai, acabam não tendo mais volta. Ter sabedoria, talvez tenha a ver com isso: ter olhos para enxergar, quando uma escolha estiver levando para um ponto extremo, de onde você não poderá mais voltar. Como uma armadilha, daquelas de capturar pássaros, onde a entrada é fácil, mas de onde, uma vez dentro, não se pode mais sair. Onde a única alternativa de quem pensa que já foi longe demais, e que já está mais perto do fim do que de tentar outros começos, vai ser seguir em frente, e talvez esse seguir em frente, tenha a ver com chegar ao cemitério, antes da hora. A vida tem dessas coisas. Assim como algumas vezes, alguém pode pensar que já está num caminho sem volta, e o mais sensato é se entregar, mas isso não ser verdade. Na dúvida, não desista. Como diria Raul Seixas, do alto da sua sabedoria: “tente outra vez”… :P

Não acredite quando alguém disser que você já foi longe demais e não tem mais volta, mesmo que isso seja dito por algum crente estúpido…

2 respostas para Eclesiastes

  1. thais disse:

    meu pai estar vivendo essa mesma situação que esse seu parente. Não sei como ajuda-lo, todos os familiares lhe aconselham a parar com esse vício mais em nada resolve, já estar abaixo do fundo do poço mais isso não diminue em nada o seu vício ao contrário a situação estar mais complicada, além de ter sido processado por atentado ao pudor,injúria,infâmia… estar correndo o risco de descer pra o presídio se algum vizinho der queixa dele na delegacia do bairro, pois ele agride os vizinhos verbalmente … E lendo esse seu depoimento chego a pensar que acontecerá o mesmo fim com ele ! e o mais intrigante e que antes ele era um evangélico ele mesmo que plantou o amor que tenho por cristo no meu coração e hoje vive assim afastado completamente de DEUS!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: