Absolutamente não sei

por Jorge Camargo

Encontro quase que diariamente gente ferida pelas instituições religiosas. Organizações que estendem seus tentáculos e oprimem, controlam, machucam.

Gente do bem, sensível, amorosa, que crê em Deus, que ama a vida, que ama o mundo. Gente capaz de chorar quando se emociona, de se sensibilizar com a dor do outro; gente, como diria o Bono em sua canção “Grace”, que “finds beauty in everything” (encontra beleza em tudo). E gente que é acusada, entre outras coisas, de relativizar o que é absoluto.

Os guardiões das sãs doutrinas (seriam elas sãs mesmo?) afirmam que vivemos num mundo onde os valores divinos, que são imutáveis e absolutos, são desafiados pelo relativismo.

Gostei de uma reflexão que o Brian McLaren fez do conceito de pós-modernidade: “A pós-modernidade não relativiza o que é absoluto. Apenas admite que, diante do absoluto, nossas interpretações serão sempre relativas!”.

Nada mais humano.

Impossível não lembrar a voz rouca e angustiada do Renato Russo na canção “Monte Castelo”, parafraseando 1 Coríntios 13: “Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem. Agora vejo em parte. Mas então veremos face a face”. E seu complemento, magistral: “É só o amor, é só o amor que conhece o que é verdade”.

Absolutamente não sei – Jorge Camargo – Editora Ultimato

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: